Os gatos do Maine Picture

English Czech Danish Croatian Dutch Portuguese Swedish

[Traduzido por Roberta Martire, Chatterie des Mûres Sauvages]

No início da minha coleção eu encontrei com certa frequência alguns gatos de pêlos longos do mesmo tipo chamados Maine cats (Gatos do Maine). Agora, como eles apareceram, eu diria que, assim como Topsy, eles "cresceram", e mesmo os habitantes mais antigos se lembram bem deles desde sempre.

Tobey

Nosso círculo familiar nunca foi completo sem um ou mais gatos - nem sempre de pêlos longos, sem bem que esse tipo sempre ocupou um lugar de honra. Já em 1861 meu irmão mais novo e eu tivemos um lindo gato de pêlos longos negros com marcagem branca; ele atendeu por muitos e muitos anos pelo nome de "Captain Jenks of the horse Marines". Eu não tenho qualquer pista da sua história ou da sua aparição. Eu imagino, entretanto, que esses gatos apareceram no Maine da mesma forma que apareceram na Inglaterra na mesma época.

Os habitantes do Maine tiveram esses gatos por tantos anos, que era raro ver entusiamo em relação à eles. Eles eram como qualquer pessoa - heróicos em momentos em que eles nem imaginavam.

Nunca pensamos em vender esses gatos até que a moda dos gatos de pêlos longos chegou no Oeste; na melhor das hipóteses eles eram doados para amigos queridos. Quando penso na quantidade de belezas que me foram doadas só porque eu seria boa para eles, me faz desejar a volta dos bons tempos onde os pequenos queridos estavam acima de qualquer preço ou "lucro".

Eu acho que o primeiro grande estouro dessa moda de gatos aconteceu por volta de 1869, quando eu ví pela primeira vez um par de filhotes Persas com olhos azuis vindos de uma linha estrangeira que chegaram no bolso de um comerciante, num porto de uma cidade que estava sendo reconstruída após uma tempestade.

O senhor P----, sendo um grande amante de gatos, enquanto estava no porto trabalhando admirava o lindo Persa branco e seus filhotes nas mãos do cozinheiro, e este deu à ele o par de filhotes. Eles cresceram e foram cuidados com muito carinho, a fêmea desenvolveu um pêlo de melhor qualidade; mas as fêmeas não eram muito premiadas nesta época.

Eles foram mantidos por dois ou três anos até darem um bom macho. Dizem que eles destruíam todas os filhotes fêmeas mas ao menos eles foram recompensados e em seguida o par original foi enviado à um parente no país. A partir desta época filhotes brancos de pêlos longos e olhos azuis se espalharam nos lugares mais inexperados. Eles apareciam e despareciam várias vezes, mas mesmo com esse contra tempo, eles frequêntemente reapareciam com o mesmo tipo.

Eu tive uma espécie muito boa chamada "Dot," que se tornou campeão, vindo dessa mesma linhagem uns onze anos após os filhotes terem desembarcado. Eu acho que ele era tão bom quanto os filhotes originais. Eles eram ambos campeões em cat shows ao mesmo tempo, ainda que "Baba" (ou "Babie") fosse já idosa quando "Dot" ainda era bem jovem. Nós ainda não pensávamos em pedigrees nessa época, mas apenas em quem tinha o melhor gato.

"Baba" pertencia nessa época à Madame Mason (formalmente Madame Philbrook), e ganhou a taça em todos os concursos em Boston. "Dot" não esteve no concurso em Boston, mas ganhou sua primeira classificação em Bangor, Maine, na mesma época.

"Dot" foi enviada ao concurso de Bangor para agradar a Madame Robinson, dona de "Richelieu," que gerenciava tudo sem a menor intenção de ganhar. Ela levou pra casa um lindo cinza muito gentil, elaboradamente inscrito, que ficou ao menos 10 anos antes de ser dado ao cozinheiro. Oh, agora eu mostro a sua foto que vai brilhar nessa página!

Blue Danube

Pela sua inteligência e afeição "Dot" era um gato superior. Eu nunca ví igual. Apesar de surdo, seus sentidos eram tão aguçados que foi com dificuldade que descobrimos que ele não ouvia. Ele respondia a qualquer leve aceno, e sempre estava esperando ser chamado. Ele era orgulhoso da sua beleza, e nunca falhou nas recepções da sua dona falando com todas as pessoas antes de sentar no seu lugar cativo no parapeito da janela.

Uma vez uma pessoa que passava sempre na nossa casa a caminho do seu trabalho me disse que ele estava sempre no portão às sete horas da manhã para saudá-los e jogava seu rabo peludo sobre eles. Cada um deles acariciava a sua cabeça, dizendo "Lindo filhote!" e iam seguiam o caminho. Ele em seguida rolava gramado à dentro e se apresentava para seu café da manhã.

Sua benevolência e sentimento terno para gatos de rua era aguçado pois ele guardou um gato por dois invernos ; seu protegido era um exemplar de olhar triste de gato abandonado (um olhar triste, e o outro fechado por causa de um machucado); espírito completamente quebrado. Assim que a temperatura esfriou, "Dot" levava seu amigo triste para a cozinha toda manhã e pedia café da manhã para ele, em seguida sentava de volta no tapete um pouco, e com toda satisfação - expressada em forma de música - observava o gato comer. Onde ele mantinha o seu amigo quando ele não estava comendo a gente não sabia; ele era invisível.

Ele também era um excelente viajante, fazia muitas viagens curtas. Uma vez o vi acertando uma cesta, quando na verdade queria sentar na cadeira e olhar pela janela e quem sabe entreter acidentalmente os que passavam.

Ele desenvolveu um raro paladar pela umidade, frequentemente sentava no banco do jardim durante a neve, enquanto os flocos sob a luz da neve lhe interessavam.

Levando ele a todos os lugares, eu nunca ví um gato como ele. Ele descansou em paz no seu feliz campo de caça quando tinha 10 anos.

Eu gostaria de dizer algumas palavras sobre os cat shows americanos. Ouvimos frequentemente vindo dos clubes de raça ou daqueles que são novos no ramo, que "O primeiro cat show do pais", foi, como dizem, de acordo com seus conhecimentos, há alguns anos atrás. Isso é verdade em relação aos clubes, mas grandes cat shows já aconteciam abundantemente em grandes e pequenas cidades nos anos 70.

Eu tenho uma foto de "Richelieu," que pertencia à Mr. Robinson, de Bangor, Maine, que ganhou o primeiro lugar em sua classe em Boston, New York, e Philadelphia antes de 1884, quando ele foi exibido em Bangor, Maine, num show limitado aos 100 melhores gatos. Ele era um silver ou bluish tabby, marcado de forma bem clara ; com 7 anos de idade na época ; pesava em torno de 20 pounds ; ele era, como mostra a foto, um gato de tipo robusto, um gato de boutique.

Eu nada sei sobre a sua historia passada ; mas seu dono levou seu gato numa jaula -boa jaula - e viajou de cidade em cidade para exibir seu gato, um pouco como estamos fazendo agora, vinte anos depois.

Nesta época o Maine, próximo à costa, era rico em boas espécies de gatos de pêlo longo. Isso foi antes de começarem à vender. Eu me lembro dos brown tabbies.

Frequentemente ouvíamos falar através de pessoas que os conheciam que, não que os Maine cats tinham uma saúde ruim, mas sim que tinham vermes ; e eu tenho que admitir isso, pois algumas vezes eles morriam facilmente como qualquer outro gato; mas um deles não morreu assim até seus 17 anos.

Na página 329 tem uma foto de "Leo," brown tabby, nascido em 1884, falecido em 1901 ; ele nos foi apresentado pela Mrs. Persis Bodwell Martin, de Augusta, Maine, e pelo Mrs. E. R. Pierce, quando ele tinha seis meses de idade.

Ele viveu uma vida fácil e de de luxo, com suas refeições servidas pela sua dona na sala mesmo, onde ele passou muito tempo da sua vida.

Leo

Se vocês me permitem, eu gostaria de fazer uma comparação entre a foto dele e qualquer outro brown tabby de raça - primeiro, a cor do foçinho, comprimento do nariz, tamanho e forma dos olhos, testa e boca, tamanho das orelhas, comprimento dos pêlos da orelha e da cabeça. Na marcagem do corpo, "Leo" falharia e seu pêlo era tão longo que a sua marcagem ficava confusa.

Existiam muitos bons brown tabbies no Maine. No verão de 1900 eu comprei "Maxine" - a mãe do "Young Hamlet," que ganhou do seu pai "Prince Rupert" no primeiro ano em que ela foi exibida. Ela foi, ou é, do mesmo tipo do "King Humbert" , ainda que ela nunca tenha tido um pedigree. Esse é um dos segredos da natureza para continuar trazendo - de tempos em tempos, mas não sempre - esse tipos magníficos.

Eu tenho uma carta interessante de uma senhora do Maine, uma de minhas contemporâneas.

Primeiro vou explicar que o Maine naquela época era um dos maiores construtores de barcos dos Estados Unidos, residentes dos porto e das cidades em torno eram proprietários de seus próprios navios, que levavam suas famílias com eles para outros paises, e tinham em cidades seus locais próprios para ficar, como propriedades navais ou oficiais.

Mrs. Thomas, de quem eu me refiro, era a filha do Capitão Stackpole, que comandou seu próprio navio por muitos anos, levando sua esposa e filha com ele. Isso foi antes da Guerra Civil. Ela diz: "Eu gostava muito de gatos antes deles terem que ter um pedigree. Quando eu era mais nova, no caminho para a Califórnia, paramos em Juan Fernandez, e eu peguei um pequeno gato selvagem.

"Mais tarde, na Europa, eu tive um Manx vindo da Ilha do Homem; ele era curioso, e não era considerado muito bonito, com seu bob-tail, e pernas traseiras bem mais longas do que as dianteiras. Teve um final inexperado, ficou prezo num fio condutor, e foi sufocado até a morte.

"O gato selvagem não tomava leite condensado, e viveu pouco tempo. A falta de sorte me perseguiu por muito tempo, mas eu sigo como um velho bêbado, não sei quando parar."

Falando do seu próprio gato, a mãe de "Swampscott," ela diz: - " Eu não posso dizer muito sobre o pedigree dos meus gatos - somente que sua bizavò chegou em Rockport, Maine, vinda da França ; ela era branca de olhos azuis. " Essa linhagem de brancos, sempre na mesma localidade, é diferente e sem parentesco com os primeiros brancos mencionados, ou seja, aqueles que eram como "Dot". Mas a sua referência à uma experiência com Manx cats esclarece a maneira pela qual esses diferentes tipos chegaram no Maine. Esse é apenas um exemplo dentre muitos que mostram como uma grande variedade de gatos chegou em portos estrangeiros para distrair crianças ; ou ainda como no caso que eu me recordo, as crianças transformavam o estoque vivo de carne carregado para abastecer a mesa do capitão com carne fresca - frangos, cordeiros, etc. - em animais de estimação até que fosse impossível comer esses queridos quando eles eram servidos pelo cozinheiro cruel.

No entanto pássaros de plumagem e que cantavam, gatos, cães, e até macacos, acharam seu caminho até as cidades da costa - muito mais no passado do que nos dias de hoje, quando empresas de navio passaram a ser máquinas de dinheiro e os navios que partem não são mais comandados pelos seus proprietários ; e capitães pagos, em regra, não levam suas famílias nas viagens, e o suprimento de gatos vindos dessa fonte acabou por muitos anos, logo os que hoje encontramos podem ser chamados com segurança de nativos.

Yellow

Eu tenho escrito sobre gatos de pêlos longos desde muito tempo, e até este momento talvez somente para meu próprio interesse, coletando dor como Gradgrind. Antes de aparecerem esses gatos bonitos de hoje, eu diria que fui testemunha de que numa pequena ilha afastada da costa habitada apenas por três famílias, e onde alguns senhores tinham cabanas para pescar no verão, foram achados Persas brancos puros com olhos azuis intensos. Até onde eu sei, não existiam outros gatos nessa ilha. Me foi prometido um par no ano passado, mas o destino cruel os visitou no seu abrigo, e os filhotes morreram naquele ano. A promessa ainda foi mantida, e eu não quero pensar que se trata de "estória de pescador". Só o tempo dirá.

Eu nada sei sobre esses gatos que parecem ter sido encontados nas ilhas; mas não há dúvidas de que são os mesmos encontrados na costa da Nova Inglaterra.

Por um longo tempo os gatos de pêlos longos estavam confinados às cidades da costa; mas a doação deles para "irmãos, primos e tias" fizeram com que eles se espalhassem pela terra, assim como em outros Estados da União. Eles prosperaram da mesma maneira que os demais gatos de pêlos longos. Sem dúvida que os melhores estavam ainda no Maine, mas a diferença é dada pelo fato deles lá terem uma vida livre na natureza. Seus descendentes eram lindos, porque eles eram provenientes da escolha natural e não dos casamentos compulsórios - muitas vezes desinteressantes, com certeza.

Entre 1895 e 1896 o gato apareceu no meio do Oeste. A época era boa para o seu desenvolvimento. O alto, o baixo, o rico, o pobre, todos sentiram sua força, como se o amor real pelos animais nada tivesse haver com as pessoas, e essa moda atingiu todo o mundo.

Poucas pessoas que nunca tinham visto um cat show na sua terra "partia em viagem", ia para um cat show, ou conseguiam um gato por uma barganha nas ruas de Londres; eles os mantinham em casa e seus vizinhos viam algo semelhante aos gatos de suas casas de veraneio na costa do Maine. Essa mania era contagiosa, e se essa febre aumentava, eles mandavam seus homens de volta pra costa para pegar outro gato de pêlo longo, e assim eles ficaram populares. Clubes foram criados para discutir assuntos relacionados e dividir experiências e conhecimento, shows se tornaram uma necessidade, grandes prêmios eram oferecidos, avaliações e standards se tornaram especiais, os gatos tinham que se encaixar, um mercado local foi criado, muito tesouros eram usados em favor do Yankee cat. Nós nos tornamos verdes e invejosos. Antes de qualquer show tínhamos que importar um campeão a qualquer custo! Nesse meio tempo, a demanda de artigos para os pêlos cresceu, e os preços inflacionam, os negociantes das cidades grandes mantinham seus compradores ocupados na Nova Inglaterra durante o outono e o inverno. Mas o estoque de filhotes começou a ficar nas mãos de visitantes e residentes de veraneio; o creme verdadeiro desapareceu com o primeiro sopro de vento em direção as grandes cidades; os negociantes ficavam com o que restava arrematavam ao preço que queriam, algumas dessas espécies eram indiferentes, e outras, sem dúvida, misturadas.

Nos últimos anos eu tenho visto menos Maine cats, a não ser nos shows e alguns que eu possuo, que não foram exibidos nem considerados remarcáveis ; mas dentre os pedras que têm aparecido com mais ou menos brilho, um dia sentados no banco achamos "Cosie," um brown tabby, levando o prêmio de best cat in show em New York, 1895. Mrs. Lambert apresentou "Patrique" em New York in 1896 - blue, bem bonito.

"King Max" - primeiro comprado por Mrs. Taylor - ganhou em Boston em 1897-98 99, apenas vencido por seu pai "Donald" em 1900.

Mrs. Mix exibiu um belo tipo Persa vindo do Maine chamado "Dairy Maid." Eu acredito que ela seja também "Imogene," do mesmo lugar - uma tortoiseshell.

"Petronius" do Mrs. Julius Copperberg, de quem sempre esperamos o melhor, vinha de uma linha de cremes descendente de outra linha creme trazida de algum porto do Mediterrâneo pelo Capitão Condon há 15 anos atráz. Eu consegui gatos descendentes dele para muitos amigos, que estão agora dispersos, mas todos mostram muita força, forma, ossadura e equilíbrio.

"Cusie Maxine" do Mrs. Chapman - um excelente tipo brown tabby, mãe de "Young Hamlet," que ganhou do seu pai "Prince Rupert" - era igualmente um Maine cat. Mr. Jones, do The Cat Journal, mantinha alguns excelentes brown tabbies de tempos em tempos vindos de fora do estoque do Maine, ganhadores de alguns grandes shows.

Um grande representante dos brancos, que conseguiu boa colocação em muitos shows de competição entre muitas classes, é "Swampscott," da Mrs. F. E. Smith, de Chicago. Ele vem dos gatos brancos de Georgia Thomas no Camden, Maine, sendo que seu pai materno vinha da França.

"Midnight" - um jovem gato preto, ganhador do segundo lugar em Cincinnati perdendo somente para um gato de New Hampshire com pelagem melhor, e segundo lugar em Chicago em 1901 em grande classe - era um animal de estimação de Mrs. J. J. Hooker, de Cincinnati. Ele vem de uma linhagem de negros pertencentes a um capitão aposentado chamado Ryan, que teve uma vez quatro gerações de gatos negros. Eles amavam seus gatos como se fossem bebês, e por anos procuravam pessoas adequadas para doar os filhotes. Eu fui honrosamente presenteda com esses diamantes negros três vezes nos últimos doze anos.

Hennessy

"Antonio," um eunuco, agora pertencente a Mrs. A. B. Thrasher, de Cincinnati, Ohio, é também um bom representante. Veja a foto. Nos últimos anos, desde que os gatos começaram a ganhar prêmios e que a idade ia avançando a cada dia, essas boas pessoas começaram a ter um coração mais duro, e agora vendem como os outros, em larga escala e a preços altos.

Eu penso também em "Peter the Great," um creme e branco neutro, pertencente à Mrs. Carl Schmidt, exibido em Detroit, Michigan, 1901. E ainda "Black Patti" - pertencente a Miss Ives - e "Rufus," ambos Maine cats, agora vivendo em Detroit, e vencedores de alguns shows no Oeste; e muitos, muitos outros vencedores cujo o lugar de nascimento é um segredo sagrado dos seus proprietários, e não iremos expor isso até que nossos gatos nativos encontrem o seu lugar.

Eu gostaria de falar sobre um lindo eunuco do Maine. Nenhum outro gato é tão bom como animal de companhia quanto ele. Eles podem ser vistos em qualquer gramado; mas irei apenas descrever um - um lindo smoke pertencente a Dr. e Mrs. E. A. Wilson na sua linda casa em Belfast, Maine. Ele tem agora dez anos de idade; seu rosto e pés são negros, ou quase; seu pêlo é bem escuro, meio marrom na ponta, mas branco como a neve na raiz. Eu tenho implorado para exibi-lo em Boston ou New York. A resposta sempre foi a mesma: "Nem por a maior quantia de dinheiro ou maior prêmio. 'Tags' não vai gostar; ele ficaria infeliz. Não é verdade, 'Tagsie'?

Os smokes ainda não se desenvolveram. Numa carta recentemente recebida que falava dessa variadede, me disseram que apenas um foi achado a cada 200. Os silvers e chinchillas também não são comuns. As cores fortes prevalecem, brancos, pretos, blues, laranja e cremes, tabbies também estão bem distribuídos pela costa, e até 6 milhas ou mais em direção ao interior ; mas eu não sei da sua aparição na parte norte do Estado, que é mais complicada de atingir e de sobreviver.

Tendo esse vício desde da infância e antes de virar moda, eu ví todo o seu desenvolvimento. Eu tive também experiência com gatos importados e kennelbred, e vez ou outra tive oportunidade de ver os melhores gatos nos shows, e eu acredito que os gatos devam ter sua liberdade, ao menos como os gatos do Maine tiveram na maior parte das suas vidas, e por isso eram tão saudáveis quanto qualquer gato de raça pode ser. O clima frio e o inverno longo, com ar limpo e cheio de ozônio, é o necessário para que as melhores qualidades se desenvolvam, e, com alguns anos de reprodução cuidadosa visando um tipo, eles seriam capazes de competir com sucesso em qualquer cat show internacional.

F. R. PIERCE.