Grupos sangüíneos do gato Picture

English Italian Dutch Portuguese Russian

[Traduzido por Ângela Stoicov, Cardigans Maine Coon Cattery]

Por Tony Batchelor, Snugglebugs, Dinamarca.
(Republicação permitida)

Eu iniciei esta investigação após um teste sangüíneo feito em nossa filhote de Devon Rex. O sangue dela era tipo B, enquanto seus pais eram tipo A. Eu já estava envolvida com o artigo da Judith Picknell, traduzindo-o para dinamarquês, portanto, eu já estava ciente dos potenciais problemas relacionados às combinações de tipos sangüíneos diferentes num cruzamento.

Então, procurei e encontrei diversos artigos na Internet, e copiei todos os dados importantes para este documento. Inicialmente eu apenas listei as URL’s e então extraí os dados específicos sobre distribuição de grupos sangüíneos.

Embora a importância dos grupos sangüíneos seja conhecida pelos criadores, a razão exata desta importância não parece ser apreciada. Obviamente que, para transfusões sangüíneas, a combinação correta é importante, embora a dificuldade de combinação seja muito menor do que para seres humanos, com alcance limitado aos tipos de sangue.No entanto, o efeito da incompatibilidade entre mãe e filhote não é bem conhecido. O risco para os filhotes nas primeiras horas após o nascimento pode ser, em certas circunstâncias, muito alto; aliás, em algumas ninhadas a mortalidade pode ser de 100% se nenhuma precaução for tomada.

As razões para se preocupar com o efeito da combinação dos grupos sangüíneos em gatos podem ser resumidas assim:

  • Imediatamente após o nascimento, as proteínas das células sangüíneas do filhote podem, em algumas circunstâncias reagirem aos anticorpos da mãe, e isto destruirá as células do sangue do filhote.
  • As circunstâncias são:
    somente se a mãe tiver sangue tipo B,
    e se um filhote em particular tiver sangue tipo A.
  • Um filhote será tipo A somente se o pai for tipo A (ou tipo A carregando B).
  • Os filhotes obterão os anticorpos somente após o nascimento, no primeiro leite, o colostro.

Este problema em algumas combinações afetará a sobrevivência do filhote e a formação da população:

  • Surpreendentemente, na população felina em geral, como as mães tipo B são mais propensas a perder mais filhotes do que as mães tipo A, a tendência irá favorecer o tipo A.
  • No entanto, em populações geograficamente fechadas, o tipo B pode ter a ascendência.
  • Semelhantemente, em populações selecionadas por linhagem, particularmente onde o criador pode alimentar os filhotes, separando-os da mãe nas primeiras 16-24 horas após o nascimento, as mães tipo B têm a oportunidade de encontrar mais machos tipo B.

Estas tendências são refletidas na estatística apresentada em várias pesquisas baseadas em artigos:

  • Em geral, gatos domésticos (‘a população em geral’) são de 7-8% tipo B no Reino Unido, e 1% nos EUA.
  • A maior porcentagem de tipo B em gatos com pedigree ocorre nos British e Rex:
  • British: 40-59% são tipo B nos EUA e 59% no Reino Unido.
  • Devon Rex: 41-45% são tipo B nos EUA e 54% no Reino Unido.
  • Cornish Rex: 33-40% são tipo B nos EUA e 20-30% no Reino Unido.
  • Na Turquia, os Vans eram 60% tipo B e os Angorás eram 46% tipo B.

A razão para as diferenças entre as porcentagens nos diferentes países pesquisados é estatisticamente insignificante. A diferença significativa referente aos Rex nos dois países é muito interessante. A diferença entre a população geral de gatos (‘domésticos’) e a população selecionada (‘pedigree’) é altamente significante.

Geralmente, deve estar claro para todos os criadores que a morte de filhotes recém-nascidos devido a este problema pode, na maioria das vezes, ser evitada se for feito um teste de tipagem sangüínea antes do acasalamento.

Se você tiver interesse em ver os detalhes da estatística, eu listei abaixo todas as fontes que encontrei para escrever este artigo. No fim da lista fiz uma tabela simplificada para comparar todos os resultados. Cada link está ativo.


Ref. 1
Por Journal of Veterinary Medicine Series A
http://cat.inist.fr/?aModele=afficheN&cpsidt=15061437

113 Vans Turcos e Angorás foram examinados para tipagem sangüínea. Dos 85 gatos Van, 40% tinham sangue tipo A e 60% tipo B. Dos 28 gatos Angorás Turcos, 53.6% tinham sangue tipo A e 46.4% tipo B. Nenhum gato com sangue tipo AB foi encontrado. Isto foi na Turquia.


Ref. 2
Por Judith Picknell
http://www.rhagorol.co.uk/rexcatz/bloodgroups.htm

O estudo mais extenso sobre distribuição de tipo sangüíneo felino através de diferentes raças, foi executado pelo professor Giger e sua equipe na Universidade da Pensilvânia, EUA, que mostra que 33% dos Cornish e 45% dos Devons são tipo B.


Ref. 3
Por Urs Giger and Margret L. Casal
http://www.rapidvet.com/fading.html

Tabela 4: Frequencia de sangue tipo A e B e o risco de isoeritrólise neonatal (IN) nos EUA.

  Freqüência sangüínea (%)   Freqüência Alélica (A+B=1)   Proporção de acasalamento
  Tipo A Tipo B Alelo A Alelo B Em risco para IN (%)
Abssínio 86 14 .63 .37 12
Birmânio 84 16 .60 .40 13
British shorthair 60 40 .37 .63 24
Burmese 100 0 1.0 .00 0
Cornish Rex 66 34 .42 .58 23
Devon Rex 59 41 .36 .64 24
Domestic shorthair 99 1 .90 .10 1
Himalayan 93 7 .74 .26 6
Japanese Bobtail 84 16 .60 .40 13
Maine Coon 98 2 .86 .14 2
Norueguês da Floresta 93 7 .74 .26 6
Persa 86 14 .63 .37 12
Scottish Fold 82 18 .58 .42 15
Siamês 100 0 1.0 .00 0
Sphinx 82 18 .56 .44 16
Somali 83 17 .59 .41 14
Tonkinese 100 0 1.0 .00 0


Ref. 4
Por DMS Laboratories (em associação com Urs Giger) com base nos EUA
http://www.rapidvet.com/felinepi.html

Raça Freqüência do tipo B (%) Raça Freqüência do tipo B (%)
Abssínio 14 Japanese Bobtail 16
Birmanio 16 Persa 14
British SH 40 Scottish Fold 18
Cornish Rex 34 Somali 17
Devon Rex 41 Sphynx 19


Ref. 5
Por Dr. Diane Addie com base no Reino Unido
http://www.dr-addie.com/Blood%20groups.htm#What%20is%20neonatal%20isoerythrolysis?

Raça Tipo B Tipo AB Total de gatos testados pelo autor
Abssínio 0%   6
Asiático 0%   1
Bengal 0% 50% *1 8 *1
Birmanio 22%   69
British Shorthair 53% 0% 128
Burmese 0%   16
Chinchilla 0%   1
Cornish Rex 20-30% *2    
Devon Rex 54% 7% 28
Domestic shorthair 8% 2% 48
Domestic longhair 7% *2 14% *1 14 *1
Exotic Shorthair 20-30% *2    
Himalayan 10-20% *2    
Japanese Bobtail 10-20% *2    
Maine Coon <5% *2   2
Manx 0%   3
Norueguês da Floresta <5% *2    
Ocicat 0% *2    
Oriental shorthair 0% *2    
Persa 12% *1   17 *1
Scottish Fold 0%   1
Siamês 0%   7
Somali 10-20% 22% *1 9 *1
Sphynx 10-20%   3
Ragdoll 8% 8% 24
Turkish Van 0%   1

* Onde eu não testei nenhum membro de uma certa raça, mas outro autor testou, utilize suas porcentagens: Knottenbelt et al, 19991 or Callan & Giger, 19942.


Ref. 6
Por Urs Giger 1991 EUA (minha tradução) encontrada em
http://www.felissana.nl/dutch/text/folders/Folder%20Bloedgroepen%2003-2002.pdf

Raça A B Total
A + B
Fração de
animais B
Freqüência
genética estimada
de B
Abssínio 155 39 194 0.201 0.448
Sagrado da Birmânia 178 38 216 0.176 0.419
British Shorthair 35 50 85 0.588 0.767
Devon Rex 57 43 100 0.430 0.656
Himalayan 28 7 35 0.200 0.447
Persa 129 41 170 0.241 0.491
Scottish Fold 23 4 27 0.148 0.385
Somali 21 6 7 0.222 0.471
Restante 33 8 41 0.195 0.442
Puro A 205 0 205 0 0
Total pedigree 864 236 1100 0.215  
Gato Doméstico 1069 3 1072 0.003 0.0053
Total 1933 239 2172 0.110  


Ref. 7
Por Knottenbelt et al 1999 Reino Unido (minha tradução) também encontrado em
http://www.felissana.nl/dutch/text/folders/Folder%20Bloedgroepen%2003-2002.pdf

Raça Total A (n + %) B (n + %) AB (n + %)
British Shorthair 121 48 (39.7) 71 (58.7) 2 (1.6)
Sagrado da Birmânia 24 15 (62.5) 7 (29.2) 2 (8.3)
Persa 17 15 (88.9) 2 (11.8) 0
Burmese 10 9 (90) 1 (10) 0
Somali 9 7 (77.8) 0 2 (22.2)
Bengal 8 4 (50) 0 4 (50)
Ragdoll 7 5 (71.4) 2 (28.6) 0
Siamês 4 4 (100) 0 0
Devon Rex 2 2 (100) 0 0
Abssínio 2 1 (100) 0 1 (50)
Chinchilla 1 1 (100) 0 0
Turkish Van 1 1 (100) 0 0
Bombay 1 1 (100) 0 0
Total 207 113 (54.6) 83 (40.1) 11 (5.3)


Raça Total A (n + %) B (n + %) AB (n + %)
Pêlo curto 125 110 (88) 10 (8) 5 (4)
Pêlo longo 14 11 (78.6) 1 (7.1) 2 (14.3)
Total 139 121 (87.1) 11 (7.9) 7 (5)

Minha tabela simplificada

Aqui, eu listei somente os resultados para o Tipo B. Também utilizei os códigos EMS para simplificar.

Em Raças, o símbolo ¤ identifica as raças non-FIFE.

Nos resumos originais, nenhuma indicação é dada para algumas raças quanto a variedades de pêlo longo ou curto.

Em Porcentagens, o símbolo * indica resultados estatisticamente insignificantes.

NOTE que algumas referências acima são resumos de uma mesma fonte, mas as comparações abaixo mostram que eles reportam figuras diferentes - talvez os resumos tenham sido montados em datas diferentes.

Raça Ref. 1 Ref. 2 Ref. 3 Ref. 4 Ref. 5 Ref. 6 Ref. 7
Região Turquia EUA EUA EUA Reino Unido EUA Reino Unido
 
ABY     14 14 0 20 0*
ASL/S¤         0    
BEM         0   0
BOM¤             0*
BRI     40 40 53 59 59
BUR     0   0   10
Chinchilla?¤         0*   0*
CRX   33 34 34 20-30    
DRX   45 41 41 54 43 0*
DomesticSH     1   8    
DomesticLH         7    
EXO         20-30    
Himalayan¤     7   10-20 20  
JBT     16 16 10-20    
MAN         0    
MCO     2   <5    
NFO     7   <5    
OCI         0    
ORI         0    
PER     14 14 12 24 12
RAG         8    
SFL/S¤     18 18 0 15  
SBI     16 16 22 18 29
SIA     0   0   0*
SPH     18 19 10-20    
SOM     17 17 10-20 22 0
TON¤     0        
TUA 46            
TUV 60           0*
Outros¤         20    
LH?             7
SH?             8
Total pedigree         22    
Total doméstico         <1    
Total ambos         11    

Conclusão

Minha conclusão pessoal destes vários documentos, como resumido acima, é que as raças British, Devon Rex e Cornish Rex (nesta ordem) correm maior risco de morte pós-natal devido a problemas de tipagem sangüínea. Está claro que os modernos criadores, por importarem e exportarem gatos terão num futuro próximo uma necessidade mais urgente de examinar o tipo sangüíneo dos gatos antes do acasalamento, para que os problemas de mortes pós-natal devido ao tipo sangüíneo sejam minimizados. Além disso, a política européia de redução de cross-breeding em algumas raças é uma política sensível a este ponto de vista.

Composite © Tony Batchelor 7th December 2003 Odense